terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

"Quando chegamos ao plano espiritual, a maioria dos espíritos pensa algo muito parecido: ah se eu soubesse!" - Hugo Lapa (Vinhas de luz)


- Ah se eu soubesse...

Se eu soubesse que a vida real não era na matéria... se eu soubesse que a realidade não é de sofrimento, mas de paz e liberdade... se eu soubesse que nada que existia na matéria é permanente, que lá é tudo passageiro, eu não teria brigado no trânsito, batido nos meus filhos, me apegado a tantas coisas efêmeras...

Ah se eu soubesse... teria ajudado muito mais gente, teria me enriquecido com amor e luz,  teria deixado de lado esses problemas pequenininhos, teria feito caridade aos necessitados, teria deixado o amor fluir, teria me atirado no bem sem nenhuma preocupação, teria sido mais humilde, teria vivido em paz...

Ah se eu soubesse... teria passado mais tempo com aqueles que amo, teria me preocupado menos, teria tido mais paciência, teria me soltado mais, me desprendido mais, teria vivido mais livre, de forma mais espontânea, mais natural, teria visto o lado bom de tudo, teria valorizado as coisas simples da vida.

Ah se eu soubesse... se soubesse que a vida na Terra vai e vem, que tudo se esvai, que nada é permanente, que não existe algo fixo, imutável. Se eu soubesse que tudo começa e termina, que os relacionamentos começam e terminam, que a dor lateja e depois vem o alívio.

Ah se eu soubesse... se soubesse que os arrogantes sobem, ficam no topo e caem por si mesmos, caem pelo seu próprio castelo de cartas da ilusão que criaram. Se eu soubesse que os ricos podem se tornar pobres de espírito, e que os pobres podem ser muito ricos de espírito. Se soubesse que as diferenças sociais se extinguem, que na morte todos somos filhos do universo, que a fome é saciada, que a sede é aliviada, que a violência só traz mais violência, que os injustiçados são compensados, que os perdidos sempre se encontram, e quem está demasiadamente seguro de si acaba se perdendo.

Ah se eu soubesse... que a vida espiritual é a vida real, que as mágoas corroem o espírito, que a cobiça gera insatisfação, que a lisonja só cria humilhação, que a preguiça gera estagnação. Se eu soubesse que o medo é sempre maior do que a mente engendrou eu teria me arriscado mais, teria ousado, teria tido a coragem de ser o que eu sou, teria retirado essa máscara que encobria minha verdade, teria desatado o compromisso com o logro, com a burla, teria assumido minha integridade sem divisões, sem fragmentos.

Ah se eu soubesse... não teria cortejado o sucesso, não teria me atirado ao poço fundo, vazio e solitário da avidez, não teria me enganado de que, ao atingir o topo, a descida é o único caminho. Se eu soubesse que o mundo é uma doce miragem eu rejeitaria a pueril busca pela sensualidade. Largaria com afinco os prazeres e vícios da juventude. Se soubesse que tudo muda e nada se encerra, teria posto de lado as moléstias da nostalgia.

Ah se eu soubesse, teria menos pressa, olharia mais para a vida, veria mais o nascer do dia, comeria com calma o pão de cada manhã, teria plantado uma árvore, corrido no jardim, deitado no chão e rolado na grama. Teria mergulhado e me perdido no  tempo, solto em reflexões sobre os mistérios da vida. Teria me desimpedido de autocobranças, teria me aceitado como sou e aceitado o milagre da vida como ele é.

Ah se eu soubesse... que o mar espiritual é infinito de bênçãos, não teria digladiado por um copo de água ao lado do grandioso oceano da plenitude. Teria deixado todas as quimeras de lado, e vivido mais a vida, a existência, o cosmos, a liberdade, o eterno presente e a eterna aurora.

Ah se eu soubesse... teria renunciado aos hábitos arraigados, as discussões estéreis, a especulação teórica. Se eu soubesse, teria permanecido mais na natureza, observando os pássaros, molhando as mãos no rio, sentindo o vento, me aquecendo ao sol da manhã, sujado as mãos na lama e sentido o frescor da chuva. Se eu soubesse que sou um ser em desenvolvimento na essência inesgotável e eterna da vida, teria sido infinitamente mais livre e feliz.

A verdade sobre a química entre duas pessoas - Luiza Fletcher (O Segredo)


A química tem um propósito. Não é aleatória; não é um acaso. Há informações essenciais na atração que ocorre entre duas pessoas.

É importante para nós sabermos a utilidade da química para que possamos usá-la a sentimos mais amor em nossas vidas. Sem compreendermos que há uma ordem secreta para o amor, nos sentimos fora de controle. E ninguém gosta disso.

Não se preocupe, você não está fora de controle. Está apenas no amor. E há uma razão para você sentir uma forte atração química por certas pessoas.

Eu ouvi muitas vezes as pessoas falando sobre química como se fosse uma coisa ruim. Como devemos ser cautelosos com as pessoas pelas quais somos atraídas. E eu entendo por que isso é um aviso comum: Porque essas pessoas tendem a trazer os nossos problemas para a superfície.

É verdade que a forte atração faz um passeio selvagem no amor. Mas a pergunta é: Isso é realmente uma coisa ruim?

Algumas pessoas vão dizer que sim. Claro, se você quer que a vida seja fácil, então o caminho da forte atração não é para você (Nota: Existe um caminho fácil? Eu ainda estou tentando descobrir isso). Claro, todos nós queremos que o amor seja simples. Mas nós somos complicados! Então, por que nossos relacionamentos seriam diferentes?

De uma perspectiva espiritual, o amor deve ser um passeio selvagem. Isso não significa que devemos ficar em relacionamentos abusivos ou horríveis. Mas isso significa que reconhecemos que o amor vai fazer-nos crescer em versões mais completas de nós mesmos. E isso não é fácil!

Sentimentos como insegurança, dúvida, medo, inveja, julgamento e desprezo (todos sentimentos de ego) vão aparecer com as pessoas que mais desejamos. Devido a isso, muitos de nós categorizamos essas relações altamente atraentes como “ruins” ou “insalubres”. Espiritualmente falando, no entanto, essas relações estão fazendo o que devem fazer – trazendo seu ego para a superfície para que você possa transformá-lo.

Quando nos lembramos de que as relações são destinadas a nos ensinarem o crescimento, nos aproximamos do “mau” de maneira muito diferente. Sabemos que há uma lição em cada desafio – a lição é recuperar uma conexão com o amor.

Lições de amor assumem muitas formas diferentes. Às vezes, se reconectar com amor significa deixar a relação. Às vezes; se reconectar com o amor significa olhar ao redor e trabalhar através dos desafios. Às vezes, a lição é aprender a perdoar o seu parceiro. Às vezes, a lição é aprender a perdoar a si mesmo.

Sim, todos nós queremos a paz nos relacionamentos; que supostamente devem nos fazer felizes e amorosos. E quando isso não está acontecendo, sabemos que nos desviamos do caminho do amor e temos de voltar à pista. É assim que crescemos.

Não ignore ou subestime a química que você sente; lembre-se que ela existe por um motivo. As pessoas que mais te atraem são seus maiores mestres no amor. Mostre-se aberto para as lições que elas têm para você.

Sua vida vai melhorar se você jogar fora essas três coisas! (Perfeito)


Às vezes a acontece de a sua casa parecer muito aconchegante, maravilhosa, mas você mal consegue respirar dentro dela. Não literalmente, claro. Mas você não quer pensar nisso, é desconfortável. Você reformou tudinho, mas ainda falta algo. Isso é tido pelos chineses como espaço entulhado. E de todas as coisas que você tem em casa, três delas são muito especiais e são as que mais têm o poder de estragar toda a atmosfera do seu lar. É o que está causando sua apatia e indiferença em relação ao mundo e às pessoas em seu redor. Se você quer remover energia estagnada e negativa de sua casa, livre-se dessas coisas imediatamente!

1. Flores artificiais

Flores artificiais estão mortas. Poucas coisas põem tanta pressão sobre o seu ambiente doméstico quanto elas. Dizem que flores vivas são para os vivos — e as mortas, para os mortos. Até o mais lindo dos buquês não substitui um pequeno e refrescante ramalhete de camomila. Até a mais comum das plantas em um vaso espalha energia vital pela casa. Então, plante orquídeas, flox ou até grama comum, mas fique longe das flores artificiais.

2. Louça trincada

Também está proibido manter em casa copos, pratos e outras louças rachadas. Não importa se não estão vazando ainda. Essas rachaduras, de acordo com os Chineses, são acumuladores estáveis de toda energia negativa presente na cozinha e na casa. É melhor não arriscar e se livrar dessas louças o quanto antes! Desde tempos ancestrais a louça é símbolo de bem-estar e prosperidade de seus possuidores. As rachaduras significam que há também uma quebra no bem-estar do dono. Mantenha apenas louça nova e bonita em casa, para enchê-la de alegria e felicidade.

3. Sapatos e roupas velhas

E por último — sapatos e roupas velhas. Você não deve manter em casa itens que não usa e que não lhe cabem mais. Elas não te fazem bem. É melhor doar a quem precisa, aos mais pobres. Então, elas serão úteis a você e à pessoa para quem doou.

Isso é o que se diz sobre coisas inúteis: se você obtém algo novo, livre-se de algo velho. Quando há um lugar vago, um par de belos sapatos novos ou aquele casaco dos sonhos certamente vai poder ocupá-lo!

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Arrepios inexplicáveis? Descubra o significado espiritual - Ana Luiza Fernandes (We Mystic)


Você já sentiu (ou sente com frequência) arrepios que vem do nada? Arrepios inexplicáveis? Eles podem ter origem no mundo espiritual, confira a explicação.

O significado espiritual dos arrepios

O nosso corpo é formado por uma cadeia de energias, e nós trocamos energia com o ambiente e com os seres e objetos ao nosso redor. Essa troca energética é algo natural que nós todos fazemos de forma inconsciente. O arrepio costuma acontecer quando nós entramos em contato com outros campos energéticos em densidades diferentes da energia presente no nosso corpo. Lembramos que nem todo arrepio tem origem espiritual. Existem os arrepios físicos decorrente da sensação de frio ou febre, por exemplo. Os arrepios emocionais, decorrente de uma forte emoção ou sentimento, como quando ouvimos uma música que nos agrada. Os arrepios que aqui tratamos são aqueles que não se encaixam nesses quesitos.

Para entender melhor

Podemos imaginar a nossa energia circulando em nosso corpo como um fluxo, uma cadeia. Quando nós entramos em contato com a energia de outra pessoa, ambiente ou coisa que tem densidade diferente da nossa, ela quebra esse fluxo, essa cadeia, com a finalidade de trazer a troca energética. Como isso acontece de forma brusca, nós sentimos no nosso corpo físico o arrepio. É como se fosse a descarga rápida de uma energia, que logo se regulariza e nós voltamos ao normal. É a mesma lógica dos outros tipos de arrepios: quando estamos com o corpo quente e um vento frio bate, temos uma quebra de tensão, de temperatura, e o arrepio mostra isso e logo regula a temperatura corpórea. Quando estamos tensos e recebemos uma massagem, podemos arrepiar, porque a energia tensa do nosso corpo é quebrada dando lugar a uma energia mais calma, daí vem o arrepio.

Por que nem todas as pessoas sentem os arrepios inexplicáveis?

Devido à sensibilidade e devido à densidade da energia da pessoa. Algumas pessoas são mais sensíveis às trocas energéticas, e por isso sentem essa quebra do fluxo energético com maior frequência. É relatado também que algumas pessoas têm energia com densidade pouco convencional, com frequência mais alta ou mais baixa do que as demais pessoas e lugares ao seu redor. Por isso, ao entrar em contato com um campo energético diferente do seu ela acaba sentindo com frequência essas pequenas descargas elétricas.

Esses arrepios são ruins para o corpo?

Não exatamente. Depende muito do tipo de energia que a pessoa está trocando com os outros. Existem as energias negativas e as energias positivas. Se após o arrepio você sente sensação de mal estar, você deve estar absorvendo energia negativa de pessoas, lugares ou objetos. Se isso acontecer, o melhor é que você mude o seu campo energético, se afaste desse lugar e busque pensar em coisas boas, pensamentos otimistas, fazer coisas que te fazem bem.

Há também a possibilidade de sentir bem estar após o arrepio, sentir sensação de tranqüilidade, bondade ou felicidade espontânea. Isso acontece quando você está ao redor de um fluxo de energia positiva muito grande e é benéfico para o seu corpo espiritual. Caso você perceba essa energia positiva, é recomendado que você sinta esse momento, porque pode ser que uma entidade de luz esteja passando para lhe dar uma benção.

E quando não se sente nada depois do arrepio?

Provavelmente é porque você está realizando uma troca energética com algum campo de densidade diferente do seu mas com a mesma vibração, não há descarga de positividade ou de negatividade.

Os arrepios da relação sexual

Muitas vezes sentimos arrepios durante a relação sexual. É claro que boa parte desses arrepios são físicos, pois o sexo injeta uma carga de hormônios e neurotransmissores muito grande em nossos corpos. Mas é notório o quanto esses arrepios são maiores quando você tem envolvimento afetivo, pois a troca energética realizada com a pessoa é mais intensa. A troca não é só de prazer, mas também de sentimento e energia, por isso que muitas pessoas afirmam que fazer amor é melhor que fazer sexo, é uma questão energética.

Il Volo e l'insostenibile pesantezza della critica - Patrizia Ciava (Italia Ri-unita



Il gruppo musicale Il Volo è l’unica realtà italiana ad aver ottenuto un gradimento globale che coinvolge ogni continente e persone di tutte le età ed estrazioni sociali, i loro CD escono simultaneamente in più di 50 paesi ed i loro concerti fanno il tutto esaurito in ogni parte del mondo.

Indubbiamente, l’enorme consenso di pubblico ottenuto anche in Italia ha spiazzato chi ne aveva pronosticato – e auspicato – l’imminente fiasco dopo la vittoria al Festival di Sanremo nel 2015. L’atteggiamento di arrogante disprezzo da parte dei giornalisti verso i tre giovanissimi vincitori in conferenza stampa fu inqualificabile e rovinò probabilmente in parte la loro gioia per aver coronato il sogno di essere finalmente apprezzati anche in patria. Guardandoli in video si nota che erano talmente tesi e a disagio da non riuscire a manifestare la solita spontaneità e freschezza, ed apparivano persino scontrosi nel tentativo di difendersi dalle battute sarcastiche dei reporter i quali, approfittando della loro giovane età e della loro ingenuità, si sono permessi un’insolenza che non avrebbero mai esibito con altri.

E’ comunque divertente rileggere oggi le feroci critiche piovute sul trio in quella occasione o la battuta di Nek il quale, non riuscendo a nascondere il proprio disappunto per essere arrivato secondo, proferì: “Sono curioso di vedere dove arriverete, ora sono cxxxi vostri”. Beh, potremmo dire che la sua curiosità è stata soddisfatta ma forse non altrettanto il suo ego.

Ciò che colpisce maggiormente, tuttavia, è che i giornalisti che li criticavano, ergendosi a giudici ed intenditori, sembravano conoscerli molto poco, evidenziando come la loro presa di posizione fosse basata sul pregiudizio e la superficialità. C’è chi li credeva un gruppo folkloristico che canta vecchie canzoni da operetta, alla stregua di quei camerieri che si improvvisano tenori e intrattengono i clienti nelle pizzerie di New York, e chi riteneva il loro successo all’estero attribuibile unicamente ai favori di un pubblico costituito da vecchi emigranti italiani nostalgici.

Se si fossero presi la briga di informarsi si sarebbero resi conto che questi tre giovanissimi avevano già ottenuto un successo planetario ineguagliabile e che erano il gruppo italiano più famoso al mondo. Mentre nel nostro paese non li conosceva ancora nessuno, in pochi anni avevano scalato le vette delle classifiche in diversi continenti, dalla Nuova Zelanda alla Malesia, dagli Stati Uniti all’America Latina, nel 2014 avevano vinto il prestigioso premio Billboard Latin Music Awards a Miami superando artisti del calibro di Shakira e Ricky Martin, i dischi di platino non si contavano, avevano duettato con i più grandi artisti, avevano cantato in tutti i luoghi preposti alla musica di alto livello, dal Madison Square Garden di New York alla consegna dei Premi Nobel a Oslo, dove il re di Norvegia in persona aveva tributato loro una entusiastica standing ovation insieme alle centinaia di spettatori presenti. Non esisteva paese che non li avesse accolti ed osannati, tranne l’Italia.

In patria furono presentati dai media come “giovani-vecchi” rappresentanti di “un’italianità retrò” e un po’ kitsch. Aldo Cazullo, nelle pagine del Corriere, li definì un prodotto da esportazione di “bassa” cultura: “La loro è un’Italia un po’ stereotipata, gorgheggi e melodia, echi di arie liriche e canzoni napoletane ma in fondo quello che il mondo ci chiede non è la nostra cultura «alta».”. Paolo Giordano, sulle pagine del Giornale, scrisse: “Questi tre ragazzi rappresentano il cliché del “belcanto” dal quale vorremo staccarci da mezzo secolo e rischiano di farci tornare indietro, almeno come percezione collettiva”.

Articoli evidentemente improntati al solito provincialismo esterofilo che spinge ad esaltare stili e mode che non ci appartengono anziché valorizzare le nostre unicità, nonché al patologico complesso di inferiorità degli italiani che li porta a credere di essere derisi o trattati con sussiego dagli stranieri se esprimono la loro “italianità”.

Li dipingevano come giovani seri e impostati che “se la tirano”, fautori di un genere antiquato ed anacronistico, dimostrando di non averli mai conosciuti né di averli mai visti in concerto. Ciò che stupisce infatti nelle loro esibizioni live è la capacità di trasformarsi in un attimo da simpatici burloni, in grado di divertire ed intrattenere il pubblico, a talentuosi artisti che riversano la loro anima nel brano che interpretano con un virtuosismo degno dei più grandi vocalisti.

Il loro genere musicale è molto particolare e difficile da definire, lo chiamano pop-lirico o operatic-pop ma è molto diverso da quello di Andrea Bocelli, ad esempio, che è più classico e rivolto ad un pubblico più maturo. E’ anche fuorviante parlare solo di “belcanto all’italiana”, a meno di voler includere in questa categoria le interpretazioni di Tom Jones, Barbra Streisand, Elvis Presley, Charles Aznavour o Michael Bublè, visto che i tre giovani artisti eseguono anche brani melodici in perfetto inglese, spagnolo e francese, già interpretati da queste icone della musica leggera internazionale. Il loro repertorio comprende alcune delle più belle canzoni che siano mai state scritte in Italia e all’estero, ri-arrangiate magistralmente per adattarsi alle loro straordinarie voci, che incantano e piacciono più delle versioni originali, come testimoniano i numerosi commenti degli internauti. Una donna inglese dichiara: “Pensavo che nessuna versione di Delilah potesse eguagliare quella di Tom Jones, ma dopo aver ascoltato Il Volo, mi sono ricreduta”.

Ancora oggi, pur avendo dovuto prendere atto, volente o nolente, della loro immensa popolarità, molti giornalisti continuano a non comprenderne il motivo. “La sorpresa è che quest’Italia da esportazione, una volta reimportata, funziona” si stupisce Cazullo. In particolare, non si spiegano l’entusiasmo degli adolescenti e giovanissimi abituati ad apprezzare generi musicali di stampo anglosassone. Improvvisandosi psicologi o sociologi cercano le più improbabili motivazioni, quando la risposta è molto semplice. Ciò che piace del Volo sono loro: Gianluca, Ignazio e Piero. Non importa il genere o il brano che cantano, è il modo in cui lo eseguono che fa la differenza. “Saprebbero emozionare pure se cantassero il ballo del qua qua” si legge in un commento. Ed è vero. Con le loro interpretazioni riescono a trasformare qualsiasi canzone in un capolavoro. La perfetta alchimia creata dalla combinazione delle loro prodigiose voci, così possenti, particolari e versatili, unita alla passione e alle emozioni che riescono a trasmettere, affascina e irretisce chiunque li ascolti. Di solito, chi ha una voce importante come la loro imposta le proprie esecuzioni sulle doti canore e si concentra su virtuosismi vocali, mentre questi tre giovani artisti usano le loro stupende voci come strumento per suscitare empatia e commozione, così come un pittore usa il pennello, un poeta le parole e un compositore le note. Questo presuppone ovviamente una sensibilità particolare sia da parte di chi esegue sia da parte di chi ascolta, dote che probabilmente molti critici non possiedono. Loro cercano di spiegare razionalmente ciò che razionale non è. L’armonia e la bellezza, nelle sue molteplici forme, va a toccare corde profonde dell’animo umano e non è sempre spiegabile a parole.

Purtroppo, un certo tipo di stampa nazionale che si fa un vanto di snobbare e distruggere mediaticamente le eccellenze del nostro paese, continua tuttora a stroncarli con rabbioso sdegno, denigrando non solo loro ma anche chi li acclama, quasi fossero tutti vittime di un ottenebramento collettivo, e arrivando persino a diffamare gli artisti di fama internazionale che li sostengono, come Placido Domingo accusato dal Fatto Quotidiano di “aver fatto una marchetta”, per aver diretto l’orchestra che li ha accompagnati nel concerto “Tributo ai Tre Tenori”.

Questi articoli evidenziano la mancanza di professionalità di chi scrive anche su giornali a tiratura nazionale senza cognizione di causa. C’è chi, pensando di fare uno scoop, rivela che non sono cantanti del Teatro dell’Opera o chi, come Michele Monina, continua ostinatamente a negare l’evidenza. Nel commentare sul Fatto Quotidiano il concerto di Firenze “Tributo ai Tre Tenori”, trasmesso su Canale 5, quest’ultimo asserisce che il pubblico li ha accolti “tiepidamente” perché “non emozionano”. Viene da chiedersi se mente sapendo di mentire oppure se pensa che le sedie erano elettrificate ed è per questo che gli spettatori balzavano in piedi al termine di ogni canzone in un tripudio di applausi e di appassionate standing ovation. Forse non si è nemmeno preso la briga di guardare in streaming il concerto ma ha obbedito pedissequamente agli ordini del direttore che si definisce con orgoglio un “anti-italiano” facendo del suo giornale un bulldozer usato per demolire ogni realizzazione del nostro paese. Vale la pena riportare a questo proposito il commento di un lettore: “Monina è un chiaro esempio di come il conformismo indotto dall’omologazione culturale globale faccia seri danni, in questo caso stroncando un prodotto musicale che meritoriamente fa divulgazione della lirica tra i giovanissimi. La pericolosità di questi giornalisti che si danno arie da intellettuali schierandosi a sostegno dei poteri forti dell’omologazione culturale anglofona non va sottovalutata.”

Questi presunti intenditori dovrebbero farsi un giro in internet e forse – dico forse presupponendo la buona fede di alcuni- capirebbero di trovarsi dinanzi ad un fenomeno che non può essere liquidato come un “prodotto creato a tavolino” grazie alla pubblicità, come asseriscono. Perché è soprattutto leggendo le centinaia – se non migliaia – di commenti in diverse lingue (ammesso che i nostri valenti intellettuali ne capiscano almeno una) che si realizza l’effetto straordinario che suscitano. Gli aggettivi e le frasi che ricorrono più spesso per descrivere le loro performance sono “mesmerizing” (che strega, ipnotizza) “breathtaking” (da togliere il fiato), “they are out of this world” (non appartengono a questo mondo), “they stole their voices from the Gods/Angels” (hanno rubato la voce agli dei/angeli). Inutile dire che gli unici commenti negativi sono scritti dai soliti haters italiani, ma per fortuna sono pochi rispetto a quelli positivi, e questi ne sono alcuni esempi: “non sono di questo mondo…sono perfetti”, “fanno divertire oltre che emozionare.”, ”Talento Divino!”, “li ascolto e sono felice”, “li ascolto tutti i giorni ,mi fanno stare bene.!”, “Fantastici e talentuosi ragazzi !!!! orgoglio italiano. !!!”, “siete meravigliosi vi ascolto tutti i giorni mi avete dato tanta forza di vivere, grazie ragazzi“, “la loro voce scalda il cuore e fa gioire l’anima.”, “Cos’è questa corrente che sentiamo quando cantano? è emozione pura”.

Il fatto singolare, volendo approfondire l’indagine, è che non si trovano testimonianze così numerose ed appassionate in calce ai video di altri artisti di fama internazionale, neanche quelli che cantano generi simili o hanno voci notevoli, come Giorgia o Andrea Bocelli. Inoltre, guardando le repliche dei loro concerti sui palchi più importanti del mondo si nota che gli spettatori tributano loro entusiastiche e spontanee standing ovation al termine di ogni canzone e non alla fine del concerto, come accade di solito.

Come si evince da alcuni dei commenti riportati sopra hanno un solo difetto: possono provocare assuefazione.

Una curiosità:

Come è noto, dopo la vittoria al Festival di Sanremo, Il Volo ha partecipato all’Eurovision Song Contest 2015 vincendo con ampi margini il televoto (1.Italy – 366, 2.Russia – 286, 3.Sweden – 279) ma ottenendo il terzo posto per volontà della giuria, il cui voto contava per il 50%, scatenando la rabbia dei fans di tutto il mondo.

Ma forse non tutti sanno che parallelamente si sono svolte altre due competizioni: quella per il miglior “Male vocalist 2015” (migliore voce maschile), in cui i cantanti del Volo si sono aggiudicati i primi tre posti e quella per il “Top male model 2015” ( il più bel cantante), in cui Gianluca Ginoble ha ottenuto il primo posto, Ignazio Boschetto e Piero Barone rispettivamente il terzo e quarto posto, superando colleghi di ogni nazionalità, tra cui svedesi, tedeschi e norvegesi. (23 concorrenti sono stati eliminati al primo turno e 16 sono rimasti in gara), con buona pace di Paolo Giordano che nel commentare il loro successo a Sanremo aveva scritto: “Nessuno di loro può essere considerato un sex-symbol”. Un’altra bella soddisfazione per i nostri ragazzi. “Gianluca and Ignazio are the first Italians to enter the Top Model Hall of Fame”.

Commento della redazione su Gianluca: “Gianluca knows how to work his angles. Telegenic, photogenic, and always looking for the light, he stares through the camera and into your soul. Just check out his eyes on stage in Vienna. This is sex face, y’all. This Italian Stallion is ready to gallop from the Eurovision stage to the runway.” (Gianluca ci sa fare. Telegenico, fotogenico, è sempre alla ricerca dei riflettori, attraverso la telecamera guarda dritto nella tua anima. Osservate il suo sguardo sul palco a Vienna. Questa è la faccia della sensualità, tutti voi. Questo stallone italiano è ora pronto a galoppare dal palco dell’Eurovision alle passerelle).

Ignazio: “Having already arrived and made a name for himself globally, Ignazio can unwind and kick back with the people. He was one of the most laidback contestants at Eurovision 2015. In a field of self-important pop stars, his down-to-earth realness was a breath of fresh air” (Essendo già arrivato ed essendosi fatto un nome a livello globale, Ignazio può rilassarsi ed essere disinvolto con la gente. E’ stato uno dei concorrenti più spiritosi dell’Eurovision 2015. In un ambiente di stelle pop autocelebrative, il suo modo di fare spontaneo e con i piedi per terra è stata una boccata di aria fresca.)

Cosa significa limonare? I segreti per un bacio perfetto (Di Lei)


Baciare qualcuno è semplice come bere un bicchiere d'acqua. Ma cosa significa limonare, invece? Come si fa e cosa va evitato? Scopriamolo insieme

Baciare una persona che ci piace o a cui vogliamo molto bene è un gesto d’affetto molto semplice e piacevole. Tuttavia, vi sono alcuni particolari da evitare, e li vedremo cercando di capire bene cosa significa limonare: spesso c’è ancora confusione su questo termine, nonostante sia largamente usato soprattutto dai giovani .

Dunque, limonare significa semplicemente baciare usando la lingua: è banalmente ciò che viene chiamato bacio alla francese, ma con un gergo più giovanile. Le regole per un bacio perfetto non sono molte, ma è buona cosa rispettarle, per godersi al meglio questo momento.

Gli adolescenti più spavaldi spesso sono esaltati all’idea di baciare la ragazza a cui fanno il filo, ma capita che nel momento tanto agognato non sappiano di preciso cosa fare e si tirino indietro. E’ chiaro che ciò non capita solo sotto i vent’anni, ma a qualunque età: l’ansia prima di un bacio è tranquillamente giustificata, e per molti sarà così ogni volta che si bacia una persona diversa.

Stando a cosa significa limonare, dovete ricordare che l’igiene orale è la migliore alleata di un bacio perfetto: la lingua è un potente veicolo di batteri, che spesso causano l’alito cattivo. Non è obbligatorio lavarsi i denti appena prima di baciare, ma almeno avere un’igiene orale costante, avendo cura di spazzolare spesso la lingua.

Prima di un appuntamento in cui è probabile che si arrivi a questo dolce epilogo, è bene non mangiare cibi come aglio e cipolla, o tutte quelle pietanze che possono dare origine al reflusso gastroesofageo come caffè e cioccolato, giusto per essere sicuri di non avere un alito pesante. Arrivati al momento desiderato, sentirete l’ansia salire: non preoccupatevi, è assolutamente normale! I vostri visi si avvicineranno, e le vostre labbra si sfioreranno e si socchiuderanno.

State baciando, ora. Datevi uno o due secondi di tempo per far svaporare l’ansia, e poi iniziate la danza con la vostra lingua: non dovete usare solo la punta, altrimenti ha poco senso, né tuttavia dovete mettercene troppa, col rischio di risultare fastidiosi. Muovetevi con un ritmo lento e quasi circolare, rilassante. Ecco cosa significa limonare, non lo dimenticherete.

Ser tia é amar uma pessoinha que não é nossa, mas a quem pertencemos... - Joana Torres (O Segredo)


A maioria das pessoas dizem que ser tia é das melhores coisas do mundo, e que só tem coisas boas nisso. Eu só tenho que concordar, pois desde que comecei a ser tia a minha vida mudou completamente, passei a dar mais importância e valor a coisas, gestos e momentos, passei a querer dar sempre o meu melhor para eles e com eles, ser tia é a eterna tentativa de ser absolutamente tudo para alguém.

Ser tia, é ganhar o maior presente do teu irmão ou da tua irmã, aquele a quem demos “cabo da cabeça e paciência” a vida inteira, e só ter que amar aquele serzinho mais e mais todos os dias, ser tia faz pensar como é ser mãe, só que sem tanta pressão e responsabilidade.

Ser tia é rir do teu irmão ou irmã quando eles estão ainda sem jeito de pegar e carregar aquele bocadinho de gente, e pensar que: “não deve ser tão difícil assim”. Até que chega o momento de sermos nós a pegar nele ao colo, de o segurar nos nossos braços e percebemos que temos o mundo no nas nossas mãos braços, e trememos, tentando disfarçar a falta de experiência.

Ser tia é voltar a imaginar, acreditar, e sonhar, é estragar com mimos e presentes, é poder ouvir a palavra “tia” e sentir –se sempre um bocadinho melhor, é perder definitivamente todas as armas e armaduras quando se ouve pela primeira vez a palavra “tia”. É não resistir dar colo, abraços, mimos e beijinhos. Ser tia é aproveitar breves períodos de tempo e companhia e transforma-los em eternos momentos de lembranças. Ser tia é preocuparmo-nos com os outros como se fossem nossos filhos mas saber que têm mães e pais que olham por eles, e que são eles que têm a parte mais chata.

Ser tia é ficar longe por 15 dias e ter a sensação de que eles já começaram a falar outra língua, e que já estão mais crescidos que nunca, é com eles que vemos e aprendemos que o tempo passa tudo muito rápido e que não o podemos controlar, ser tia é aprender a lidar com carinho quando alguém não nos quer dar um beijinho, é definitivamente o melhor tesouro que a vida nos deu. É fazer parte de histórias e procurar estar sempre por perto quando eles precisam. É descobrir-se alguém melhor sempre que lembra que é tia de alguém tão especial.

E também trocar as piores fraldas sem ter nojo e nenhum problema com isso, é brincar com o amigo imaginário, e ter de ficar a noite toda sem dormir, só para velar o sono de quem mais se ama. As tias podem amar do mesmo jeito que as mães, deixar guardados os segredos como uma irmã, dar amizade e carinho como uma amiga, e amar esse pequenos seres como se fossem seus.

Não há como falar muito no papel de uma tia dentro de uma família, pois cada uma delas ocupa um lugar diferente e especial. Elas só pensam em amar e a agradar, e sempre que têm uma oportunidade também querem beijar e abraçar. É tão grande o amor, que mal pode ser deixado em palavras.

Ser tia, resumindo, é amar uma pessoinha que não é nossa, mas a quem nós pertencemos, é acompanhar a vida de quem vive outras histórias e que faz parte da sua. É algo maravilhoso, é decididamente apaixonante e fascinante.

Eu amo ser tia!

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Il Volo - Capodanno a Salerno (2015)


Il Volo alla Radio RTL 102,5 - lançando CD + DVD Notte Magica (30/09/16)


Psicólogos de Harvard revelam: pais que criam "boas" crianças fazem estas 5 coisas - Luiza Fletcher



Nesta era de tecnologia, descobrimos que a educação dos filhos é um pouco diferente dos tempos antes do iPod, iPhone, computadores, Internet, e todos as outras modernidades incríveis que nos consomem. As crianças brincavam nas ruas. Jogavam bola nos campos. Brincavam do lado de fora até que as luzes de rua se acendiam e elas sabiam que tinham que ir para dentro de casa. Nós estamos criando crianças muito diferentes agora do que há vinte ou trinta anos atrás. Mas, talvez seja hora de voltar ao básico.

Este é um mundo novo. As crianças nascidas nessa era automaticamente recebem aparelhos para entretê-las. Mas, onde estamos errando? Psicólogos da Universidade de Harvard vêm estudando o que torna uma criança bem criada nestes tempos de mudanças. Eles concluíram que existem vários elementos que ainda são essenciais.

Aqui estão 5 segredos para criar uma “boa” criança, de acordo com psicólogos de Harvard:

1.Passe tempo com seus filhos

Passar o tempo com seus filhos significa deixar tudo de lado por um tempo, ler um livro, chutar uma bola, caminhar com ele, ou apenas jogar um jogo à moda antiga. Em termos mais simples, isso significa que você interage com sua criança. Estas são as coisas das quais elas vão se lembrar. Elas vão se esquecer do que você comprou. Só querem passar mais tempo com seus pais.

2.Fale com eles em voz alta

De acordo com os pesquisadores de Harvard, “Mesmo que a maioria dos pais diga que o cuidado com seus filhos é uma prioridade de tempo, muitas vezes as crianças não estão ouvindo a mensagem.”

Passe tempo com eles para descobrir o que está acontecendo em sua vida. Verifique com professores, treinadores. Descubra se há uma mudança em seu comportamento. Permita que seu filho se sinta confortável para conversar com você. Seu filho precisa saber que é a prioridade em sua vida. As crianças necessitam de confirmação através de palavras. As palavras são importantes. Converse com elas e compartilhe suas histórias sobre a escola, trabalhos de casa, amigos, e assim por diante.

3.Mostre ao seu filho como resolver problemas sem estressar sobre o resultado

Um dos maiores presentes que você pode dar ao seu filho é a capacidade de analisar e resolver problemas. Deixe seu filho decidir por si mesmo o que ele quer. Você não pode resolver seus problemas o tempo todo. É saudável lhe permitir experimentar a vida através de suas próprias lentes. Conquistas são importantes e, ao lhe permitir determinar o que quer, você o está presenteando com a consciência.

Você quer criar um adulto produtivo. Permita que ele venha até você e compartilhe seus problemas e o oriente a fazer as melhores escolhas possíveis. É difícil dar um passo atrás quando vir filho cometer um erro. Mas faz parte da aprendizagem e da evolução da nossa humanidade.

Rick Weissbourd, que conduziu o estudo, diz: “Estamos muito focados na felicidade de nossos filhos. Estamos fazendo-os se concentrarem apenas em casos de sucesso?” A pressão para a realização pode ter muitos resultados negativos”, diz Weissbourd, que é codiretor do projeto.

4.Mostre a sua gratidão a seu filho regularmente

Os pesquisadores dizem que “os estudos mostram que pessoas que praticam o hábito de expressar gratidão são mais propensas a serem úteis, generosas, compassivas, felizes, saudáveis e perdoarem com mais facilidade.” Os pais devem dar tarefas aos seus filhos e, em seguida, expressarem gratidão por suas realizações. É importante que as crianças vejam que a gratidão é um dom notável. Sempre que fizerem algo, honre-as e as reconheça pelo seu desempenho.

Como pais, é nosso devem ensinar nossos filhos a serem compreensivos e compassivos para com os outros. As crianças aprendem pelo exemplo. Leve-as a um abrigo. Permita-lhes testemunharem como têm sorte de terem uma casa. Ajudar seus filhos é não apenas dar-lhes uma chance de serem adultos surpreendentes, mas também remover o preconceito da intolerância e diferença. Tudo começa em casa.

5.Ensine seus filhos a expandirem a sua visão

Isso remonta à mostrar-lhes gratidão. Deixe seu filho experimentar o mundo através de sua compaixão. Os pesquisadores dizem que “quase todas as crianças empatizam e se preocupam com seu pequeno círculo de familiares e amigos.”

Ensine seu filho a ser um bom ouvinte, a interagir sem o uso de tecnologia, ser compreensivo com outras pessoas fora de sua família, e não julgar qualquer pessoa com base em sua religião ou nacionalidade. Estamos em tempos cruciais da evolução humana, e esta nova geração tem a capacidade de mudar o nosso mundo. Expor seu filho a diferentes culturas ajuda a desenvolver uma pessoa amorosa, gentil e feliz.

Você é responsável por criar almas amorosas. Ajude-as a navegarem neste mundo através da compaixão, amor e bondade.

“Criar uma criança respeitosa, carinhosa e ética sempre pode parecer um trabalho árduo. Mas é algo que todos nós podemos fazer. E nenhum trabalho é mais importante ou mais gratificante.”

Quando seu coração estiver muito pesado e sua alma cansada, leia isto - Luiza Fletcher


Eu sei como é estar emocionalmente exausto. Você tenta explicar para as pessoas mas não consegue. Como encontrar palavras para ‘eu sinto as coisas muito profundamente e me doo tanto, às vezes fico vazio’?

É como se você acordasse cansado porque não consegue dormir e a madrugada lhe desse as boas-vindas com uma solidão familiar, a qual você já está habitado.

E você está assistindo todos os outros se perguntando o que está fazendo de errado. Se perguntando porque não pode sentir menos. Desejando deixar de se importar. Invejando as pessoas que não se importam com nada além de si mesmas. Você não pode sequer imaginar uma vida assim.

Algumas pessoas simplesmente amam tão profundamente, se preocupam tanto e dão cada pedaço delas aos outros, que não sobra nada para si mesmas.

São pessoas que dão partes de si mesmas para fazer os outros se sentirem inteiros.

Existem algumas pessoas que mostram uma força inabalável, como levantar outros e fazê-los se sentirem melhor, mas não conseguem descobrir como canalizar isso em si mesmas.

São as mesmas pessoas que escondem lágrimas.

São as mesmas pessoas que se sentem solitárias numa multidão.

São as mesmas pessoas que olham para os outros apaixonados e se perguntam quando será a vez delas.

E eu sei que você fica cauteloso à medida que mais pessoas confiam em você, você aprende que a única pessoa em que pode confiar é em si mesma.

Eu sei que você está se cansando de tentar tanto.

Eu sei que é muito complicado ser do jeito que você é, e você nunca vai admitir isso.

E todo mundo acha que isso vem naturalmente e fácil.

Mas amar tão duro, te faz sentir que há algo de errado com você, às vezes. Mas ao mesmo tempo, ser assim é a única coisa que você sabe.

As pessoas te admiram por como você é, destemida, amorosa, cuidados, mas elas não veem que seus olhos estão ficando cansados, que sua fé está sendo testada e a solidão que você sente em dar o seu melhor está te consumindo mais a cada dia.

Eu quero que você saiba que não é como o resto deles. Eu quero que você saiba que estou orgulhosa de você por sua força. Eu quero que você saiba que, um dia, ser exatamente como você é vai compensar, e você vai encontrar alguém que vai preenchê-lo da mesma forma que você preencheu outros.

Até então, continue tentando. Continue se segurando a esse pouco de fé que você tem. Continue sendo você mesmo e não mude.

Há algo em você que é muito raro. E, um dia, ser quem você é vai compensar, e esse sentimento de vazio e a solidão que você não pode eliminar serão encontradas por alguém que te olhará nos olhos e dirá: ‘Finalmente’.